sexta-feira, junho 02, 2006

Michael Horse, o Herói!...

“A esposa de meu amigo Zeca exige-lhe, antes da prestação conjugal, que lhe mordisque a “passarinha”, ou seja, que lhe mordisque ao de leve o velo púbico fazendo o ruído das cavalgaduras ao morderem o pasto. Há nesta exigência um fundo de maldade, um desejo de retardar a fornicação pouco abonatório da esposa. Mas o Zeca sempre acatou os caprichos da dominadora e, agora, todas as tardes o vemos nos subúrbios da cidade a passear pelos prados comunais, onde vacas (agora povoando Lisboa) cavalos e mulas mordiscam a erva (...).

O Zeca, conforme me confiou em diversas ocasiões debatia-se com dois problemas – digamos – fisiológicos : em primeiro lugar, ele não tinha beiças de cavalgadura, capazes de abarcar um palmo de erva e, por conseguinte, um monte de Vénus, por muito espesso que fosse; além disso, o velo púbico feminino é de uma consistência muito diferente da erva, dificultando sobremaneira esse ruído tão peculiar, misto de estalido e pancada amortecida, que fazem as bestas ao mordiscar.

Perante tamanhos inconvenientes, o Zeca tentou limar os incisivos, enrolar a língua em estopa e até franzir os lábios em alicate, mas nunca conseguiu reproduzir o ruído em questão. Resultado, a mulher - essa grande safada - continuou a negar-lhe seus favores. Com tudo isto, devo confessar que a esposa do Zeca, embora caprichosa e cheia de melindres, é uma mulher em todos os aspectos uma esplêndida mulher, um autêntico bombom recheado sabe-se lá de que deliciosos ingredientes e bem merece que lhe mordisquem a “passarinha”. Era certamente o que achava o Zeca, passando as tardes a contemplar as evoluções de muitos quadrúpedes que não paravam de pastar (...). Tal foi a obstinação no estudo desses herbívoros e tão decepcionantes as suas tentativas de reproduzir o mordisco na “passarinha” da esposa, que esta decidiu requerer a anulação do casamento, baseada no não cumprimento dos deveres conjugais.

O meu amigo Zeca, que continua a frequentar as pastagens, está a ficar com cara alongada de tristeza, atingido até proporções equinas, e olhar dele, longo e arrastado, possui agora a definitiva nostalgia do cavalo que perdeu uma corrida no hipódromo.

Dizem as más línguas que a esposa, enquanto decorrem os trâmites jurídicos da anulação do casamento, travou relações com um jovem Lord inglês, de seu nome Michael Horse, membro efectivo do “Internacional Jockey Club”.

Que espertalhona! ....”

( Juan Manuel de Prada – in “Conos” – Ed. Fenda )


Bom fim de semana.
Divirtam-se, apreciando as vaquinhas a “pastar” por essa Lisboa...

18 Comments:

Blogger FOTOESCRITA disse...

E diverti-me, seu malandreco. :-)

junho 02, 2006 12:14 da tarde  
Blogger maresia disse...

eu desejo
1. outra destas
2. e que me mordisquem a passarinha
lol

junho 02, 2006 12:17 da tarde  
Blogger wind disse...

Gargalhadas:))))) Não parei de rir do princípio ao fim:))))) Nunca tal tinha lido, morder a passarinha e fazer o tal barulho. eheheheeheh
Boa escolha Sr. Zé das Loas. Parabéns;) beijos

junho 02, 2006 12:28 da tarde  
Blogger alfinete de peito disse...

Que jogo de palavras fantástico, olha que fartei-me de rir amigo Zé :)

E sim, vou aproveitar esse teu conselho ;)

Abraço dos Alfinetes!

junho 02, 2006 2:05 da tarde  
Blogger anjoedemonio disse...

lindo... divertido... e bom fim de semana!!!!

junho 02, 2006 5:40 da tarde  
Blogger BlueShell disse...

ahahahahahaha....precisava mesmo de rir... ~(obrigada)

BShell

junho 02, 2006 7:43 da tarde  
Blogger OvelhaNegra disse...

Encontrei o teu blog por acaso..

Maravilhei-me com a escolha que fizeste do « Coños». :)
É subtil a ironia do J.M. de Prada. ( Não fosse ele «discípulo do Ramon Gomez de la Serna.)

Gostei do teu blog.
Parabéns!

Beijo

junho 03, 2006 1:46 da tarde  
Blogger Lmatta disse...

Gostei
:)))))))))))
esta LIndo
Beijocas

junho 03, 2006 2:37 da tarde  
Blogger JPD disse...

Uma boa fantasia é o caminho andado para o melhor que a vida tem,prazer, paretilha...(Não me ocorre mais nenhuma palavra começado por «pê».
Sabe-se, da mitologia, que Zeus antes de raptar a Europa se transfigurou em touro. Raptou-a e ambos exultaram. E se a Europa era uma pequenota cheia de...prado!
Um abraço

junho 03, 2006 3:18 da tarde  
Blogger JPD disse...

Não é «paretilha» deve ser «partilha»
Porra para as gralhas!

junho 03, 2006 3:19 da tarde  
Blogger dreams disse...

yayayayaya...

e que humor...

um beijo doce *
“·.¸Dreams¸.·”

junho 03, 2006 6:34 da tarde  
Blogger Daniel Aladiah disse...

Caro Zé
Acho que a maioria se ficaria pelo mordiscar e afins, independentemente do ruído... mas enfim...
Um abraço
Daniel

junho 03, 2006 7:25 da tarde  
Blogger Minhoca (moi-meme aussi...hoin,hoin) disse...

Pois, pois...e mais não dizes senão ainda és o culpado...hoin, hoin, hoin! Quer acredites ou não, este fim de semana ofereceram-me uma vaca "daquelas". Chama-se Snday. Mai nada!!!!!!!!

junho 04, 2006 2:08 da manhã  
Blogger Minhoca (moi-meme aussi...hoin,hoin) disse...

Snday é à inglesa. Em portuga roskoff chama-se "Sunday".

junho 04, 2006 2:09 da manhã  
Blogger batista filho disse...

:-)

junho 05, 2006 11:35 da manhã  
Blogger Nilson Barcelli disse...

A história é hilariante. Muito bem contada.
E não foi o Juan Manuel de Prada que a escreveu, foste tu. Ou então sofreu algumas adaptações...
Mas isto é um perigo. Já viste o mulherio ao ler isto? O que vão pedir elas aos desgraçados quando chegarem a casa? Já viste?
Abraço.

junho 06, 2006 8:44 da tarde  
Blogger zé das loas disse...

Nilson, limitei-me a mudar o "nome" do personagem e o título da "estória". Devia ter esclarecido, sim! mas como tenho um amigo de seu nome Alberto ... talvez o meu "pecadilho" possa ser desculpado ... rsss

Sempre atento, pá! abraços

junho 07, 2006 12:39 da tarde  
Blogger mixtu disse...

yayayyaya, relendo masi um excelente post
abrazos

junho 11, 2006 3:52 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home